Pesquisadores provaram que não apenas vale a pena tratar um placebo como um tratamento poderoso, mas também pode agir como uma cura e, às vezes, até mais forte. Vamos falar sobre esse efeito misterioso neste artigo.

Fatos interessantes sobre o efeito placebo
ccnull.de

Em vários momentos, geléia real, tintura de alho, água de prata, pulseiras magnéticas, etc., etc. foram apresentadas como uma panacéia para todas as doenças. Como regra, na época do próximo boom, esses métodos realmente funcionaram muito bem e ajudaram um muitas pessoas, mesmo que não tivessem base. Posteriormente, a popularidade deste ou daquele remédio diminuiu lentamente e, se fosse realmente eficaz, seria incluído no fundo dourado dos tratamentos não medicamentosos, mas se fosse tudo sobre publicidade e moda, foi rapidamente esquecido.

Examinando a história dessas “panaceias”, pode-se chegar à conclusão: se você pegar algo inofensivo (mas também inútil) para uma pessoa e anunciar como outra panacéia, esse remédio ajudará a se livrar de uma variedade de doenças por um grande número de pessoas. Como isso pode ser explicado?

  • Em primeiro lugar, isso se deve ao fato de que, quando muitas pessoas tomam alguma droga da moda de uma só vez, cria-se um biocampo inconsciente coletivo (egrégor na linguagem do esoterismo), que tem uma espécie de efeito hipnótico em cada pessoa e contribui para a inclusão da autofarmacologia (autocura do corpo).
  • Em segundo lugar, isso se deve ao efeito placebo, que será discutido neste artigo.

By the way, todos os itens acima podem ser atribuídos à maioria dos produtos farmacêuticos.

Fatos interessantes sobre o efeito placebo
droga de voltaground foto criada por rawpixel.com – www.freepik.com

Agora vamos falar sobre o misterioso placebo. É provável que a ideia do placebo abra caminho para uma revolução na teoria e na prática da medicina. Estudar os efeitos dos placebos nos permitirá entender como o corpo humano se cura, revelar a misteriosa capacidade do cérebro de comandar mudanças bioquímicas que desempenham um papel crucial na luta contra a doença.

Um placebo é uma droga de imitação, pílulas de açúcar de leite inofensivas pré-embaladas e embaladas como uma droga real. Geralmente são dados ao paciente para acalmá-lo, e não pela necessidade ditada pelo diagnóstico. Placebos também são usados ​​para testar a eficácia de novos medicamentos. O resultado alcançado em um ensaio clínico de uma nova droga é comparado com o efeito de um placebo – uma "droga fictícia".

Anteriormente, os médicos tratavam placebos, para dizer o mínimo, não muito bem, considerando o efeito placebo como nada mais do que “coisas charlatãs” ou “pseudotratamento”. E somente no final do século passado, na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, o interesse por esse fenômeno aumentou. Por exemplo, as descrições de pesquisas científicas sobre placebos somente na Universidade da Califórnia somaram um volume impressionante.

Pesquisadores provaram que não só vale a pena tratar um placebo como um tratamento poderoso, mas também pode atuar como uma droga (e às vezes mais poderosa), como um agente terapêutico, causando uma mudança nas reações que ocorrem no corpo e ajudando a mobilizar suas defesas para combater a doença.

O mecanismo de ação do placebo ainda não foi totalmente elucidado pelos cientistas. Há sugestões de que o placebo ativa a função do córtex cerebral, e este, por sua vez, estimula o sistema endócrino e principalmente as glândulas adrenais.

O conhecido jornalista e escritor americano Norman Cousins, em seu livro Anatomia da Doença na Perspectiva do Paciente, descreve muitos casos de cura com placebo. Aqui estão informações sobre alguns deles.

G. Beecher, um renomado anestesiologista da Universidade de Harvard, analisou os resultados de 15 estudos envolvendo 1082 pessoas e descobriu que 35% dos pacientes experimentaram alívio significativo quando, em vez de medicamentos convencionais, para uma ampla variedade de condições dolorosas (dor de cabeça, tosse, dor, enjôo, irritabilidade) receberam um placebo. Um efeito positivo foi observado em processos patológicos, como artrite reumatóide, úlceras pépticas, febre do feno, hipertensão, baixa hemoglobina, asma. O placebo até fez as verrugas desaparecerem.

Fatos interessantes sobre o efeito placebo
shutterstock.com

O Dr. S. Wolf apresentou resultados de testes mostrando como, sob a influência de um placebo, um excesso de leucócitos apareceu no sangue de uma pessoa e a quantidade de proteínas e gorduras diminuiu.

Um caso é conhecido quando um paciente que sofre de doença de Parkinson recebeu um placebo, considerando-o ser outro medicamento terapêutico, e seu tremor diminuiu significativamente. Mais tarde, o paciente foi misturado ao leite com uma substância da qual foi feito o placebo, mas ele não sabia disso e sua condição não mudou.

Durante um estudo de depressão psiquiátrica leve, os pacientes tiveram seus medicamentos substituídos por um placebo. Os resultados foram exatamente os mesmos de quando se tomava medicação – a condição melhorou. No estudo descrito, 133 pacientes previamente livres de drogas também receberam placebo. Em 25% deles, foram observadas mudanças tão significativas para melhor que foram posteriormente excluídos do grupo em que a eficácia de medicamentos reais foi testada.

O outro grupo recebeu um placebo em vez de um anti-histamínico, e 77% dos pacientes experimentaram a sonolência que a droga real geralmente causa.

O Instituto Nacional de Geriatria de Bucareste realizou um experimento chamado "duplo-cego" para testar uma nova droga que aumenta a atividade do sistema endócrino, que, por sua vez, pode fortalecer e aumentar as chances de longevidade. 150 camponeses de 60 anos, que viviam no campo aproximadamente nas mesmas condições, foram divididos em três grupos de 50 pessoas. O primeiro grupo não recebeu nenhum medicamento, o segundo recebeu placebo e o terceiro tomou o novo medicamento regularmente. Ano após ano, todos os três grupos foram cuidadosamente examinados. Os indicadores do primeiro grupo coincidiram com os dados típicos para os camponeses romenos desta idade. Os grupos XNUMX e XNUMX, tratados com placebo e droga, respectivamente, apresentaram melhora significativa da saúde e menor mortalidade em comparação ao grupo XNUMX.

Realizados na França em 1986, estudos em larga escala (sob os auspícios do Ministério da Proteção Social) mostraram que após tomar um placebo, as dores de cabeça desaparecem em 62% dos casos, as úlceras e gastrite desaparecem sem deixar vestígios em 58% dos pacientes, o reumatismo desaparece a cada segundo... É curioso que tão longe de todas as drogas reais mostrem alta eficiência, e há uma sutileza aqui. Os médicos chegaram à conclusão de que as propriedades curativas das drogas na realidade deveriam ser menores do que se acredita, porque o efeito placebo também desempenha um papel aqui.

Fatos interessantes sobre o efeito placebo
foto de medicamento criada por freepic – www.freepik.com

Também é interessante que um placebo pode não apenas tratar, mas também prejudicar o corpo. Nos casos em que o medicamento que causou a complicação foi substituído por um placebo, tomá-lo deu as mesmas complicações.

Outro ponto interessante. Se o paciente sabe que está recebendo um placebo, então não terá nenhum efeito fisiológico. Isso mais uma vez confirma que o corpo humano é capaz de transformar a esperança de cura em mudanças bioquímicas tangíveis.

As pessoas reagem de forma diferente aos placebos. Anteriormente, assumia-se que uma pessoa com baixa inteligência é mais suscetível aos efeitos placebo. No entanto, esta teoria foi posteriormente refutada. Numerosos estudos mostraram que quanto maior a inteligência, mais forte o efeito placebo.

O estudo do mecanismo de ação desse fenômeno é especialmente importante agora, uma vez que a indústria farmacêutica mundial lançou um grande número de medicamentos que trazem não apenas benefícios, mas também danos à saúde. Qualquer droga, quando absorvida pelo organismo, é decomposta em suas partes componentes. Portanto, praticamente não existem medicamentos que não produzam pelo menos alguns efeitos colaterais. E quanto mais complexa a prescrição – antibióticos, medicamentos hormonais, tranquilizantes, medicamentos que reduzem a pressão arterial ou aliviam os espasmos musculares – mais graves são os problemas de impacto negativo. Os medicamentos podem alterar a composição do sangue, torná-lo mais espesso ou fino. Eles podem afetar o sistema endócrino, aumentar a produção de ácido clorídrico no estômago, diminuir ou acelerar o fluxo sanguíneo para o coração, suprimir as funções dos órgãos hematopoiéticos e da medula espinhal, diminuir ou aumentar a pressão arterial, interromper o sódio-potássio metabolismo, que desempenha um papel vital.

Muitos médicos conhecidos assumiram que toda a história das drogas é a história do efeito placebo. Ao mesmo tempo, drogas medicinais, como preparações de chifre de rinoceronte, raízes de mandrágora, pós eméticos, pós de múmias, eram usadas ativamente na medicina. A medicina moderna provou que o efeito desses medicamentos, como muitos outros, é baseado no fenômeno placebo.

Hoje em dia o dinheiro importa muito, então é natural que quem ganha dinheiro com a produção de medicamentos não goste muito quando pesquisadores comprovam que um simples “boneco” não cura pior do que outro “milagre farmacêutico”. Mas se mesmo uma pequena parte do dinheiro gasto no desenvolvimento e produção de mais e mais novos antibióticos fosse investida no estudo do efeito placebo, isso traria benefícios imensuravelmente maiores...

Fatos interessantes sobre o efeito placebo
Foto cromossômica criada por creativeart – www.freepik.com

Por que o placebo funciona em alguns casos e não em outros? Muito provavelmente, isso acontece porque nos casos em que o placebo ajuda, ele consegue "enganar" a consciência humana, o que inclui os mecanismos de autocura; nos casos em que o placebo não ajuda, ele falha em "conduzir" nossa consciência.

É possível fazer sem um placebo? É possível, mas certas barreiras psicológicas funcionam aqui. Afinal, o efeito placebo quebra todas as nossas ideias estabelecidas sobre o tratamento de doenças. Como podemos acreditar que a doença é curada por algumas forças incompreensíveis do corpo que não podem ser sentidas ou cheiradas, e não podem ser saboreadas? E as "chupetas" têm um certo tamanho, forma, cor, talvez até cheiro e sabor – elas são "reais". Portanto, aprender como acionar mecanismos de autocura sem tomar um placebo é bastante difícil, mas aparentemente possível.

Fatos interessantes sobre o efeito placebo
Prod. Médicos technology vetor criado por starline – www.freepik.com

E para concluir, vamos falar de uma velha curiosidade. Na cidade americana de St. Louis, foi inaugurado o Museu do Charlatanismo. Todos os tipos de garrafas com "poções milagrosas" contra quase todas as doenças e muito mais foram apresentadas aqui. "Panaceas" foram exibidos em janelas fechadas. E, no entanto, os visitantes do museu discretamente levaram as exposições na esperança de que pílulas e poções milagrosas os ajudassem.

Infelizmente, o Museu fechou em 1986. Todas as suas grandes exposições foram doadas ao St. Louis Science Center, que as colocou em depósito. E somente em 2002, graças ao colecionador Bob McCoy, essas exposições foram transferidas para o Minnesota Science Museum e continuam a viver lá como uma coleção de Questionable Medical Devices (Questionable Medical Devices). Entre as exposições do Museu estão uma máquina frenológica que mede a personalidade medindo o tamanho das saliências na cabeça, além de óculos e sabonetes projetados para perda de peso. Esta coleção de Dispositivos Médicos Duvidos nos lembra que às vezes é melhor deixar o tratamento para os médicos.

Atualmente, o Minnesota Science Museum é a maior exposição do mundo "do que a mente humana inventou para se curar sem recorrer ao método científico ou ao bom senso".

Avalie o artigo e compartilhe nas redes sociais
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Classificação: 5.00 (Número de classificações: 2)
 

FactUm-Info Fatos interessantes

Assine o nosso Telegram-canal

1.

Abra o site FactUm-Info no navegador Google Chrome

2.

Imprensa cardápio navegador

3.

Selecionar item "Instalar o aplicativo"

1.

Abra o site FactUm-Info no navegador Safari

2.

Clique no ícone "Mandar"

3.

Selecionar item "Para tela inicial"